quarta-feira, 14 de maio de 2008

Curso de Design recebe conceito acima da média nacional em avaliação do MEC

ENSINO SUPERIOR – texto por Felipe Stanque Machado Junior

Ministério da Educação aponta a alta qualidade do curso em recente avaliação para fins de reconhecimento.

O curso de design da ULBRA Carazinho passou por momentos decisivos há pouco. A fim de receber o seu reconhecimento oficial pelo MEC, o curso recebeu avaliadores representantes do INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) em dezembro passado. Foram examinadas meticulosamente as condições do curso durante dois dias: organização didático-pedagógica, corpo docente, corpo discente, corpo técnico-administrativo e instalações físicas. O resultado da avaliação foi recebido em março: um ótimo conceito (numa escala de 1 até 5, o curso obteve nota 4). Um conceito como este é realmente difícil de obter, tendo em vista que a maioria dos cursos de Design avaliados obtém nota 3, e raríssimos são os cursos que obtêm a nota máxima.
O coordenador do curso de design da ULBRA Carazinho, Daniel Quintana, afirma que seu lema é “missão dada é missão cumprida”. Com este pensamento assumiu, há mais de três anos, a missão de transformar a graduação em algo muito melhor do que já era. Com o apoio da direção da ULBRA, dos colegas docentes e dos alunos, as estratégias para aprimoramento do curso foram uma a uma sendo implementadas e os resultados esperados foram naturalmente sendo obtidos. Todo o esforço culminou na recente avaliação do MEC, depois da qual Quintana realmente considerou sua missão cumprida – pelo menos por enquanto, pois ele segue firme capitaneando o curso. Depois de todos os semestres de duro trabalho, os avaliadores apenas puderam comprovar o que já é realidade: o curso de Design da ULBRA Carazinho está entre os melhores do Brasil.
“O trabalho realizado desde 2004 foi muito árduo. Qualificamos nossos laboratórios, professores e também nossa filosofia educacional. De nada valeria todo este trabalho se a avaliação do MEC não nos coroasse. Investimos em um discurso de transformação consciente, onde cada aluno e cada professor seriam responsáveis pelo processo evolutivo da graduação em busca da excelência no ensino do design, já que um bom curso não se faz com máquinas apenas, mas principalmente por pessoas. Hoje o corpo docente encontra-se coeso e fiel a um compromisso moral e profissional em busca da excelência por meio da melhoria contínua”, afirma Quintana.
Segundo Felipe Stanque Jr, também professor de Design, o início de uma grande revolução no curso começou pela própria mudança espiritual de docentes e alunos. “A vitória de um grupo vencedor depende da sintonia, do diálogo e do efetivo comprometimento. Hoje somos todos vitoriosos, direção, alunos e professores, pois estamos muito unidos! Estamos todos sintonizados num excelente clima de trabalho e estudo. Amamos o que fazemos, amamos o Design” afirma.


2 comentários:

Marcelo Araujo disse...

Felipe. boa tarde. Lendo sua matéria me surgiu a pergunta, existe o curso designer grafico a distancia?

Felipe Stanque disse...

Prezado Marcelo: desconheço. O que os cursos existentes fazem é ministrar algumas matérias semi-presencialmente, geralmente matérias dos ciclos fundamentais (com as matérias mais básicas que são compartilhadas com as grades de outros cursos da mesma instituição).
Abraços!
Felipe

Postar um comentário